POETA FRANCIS GOMES

POETA FRANCIS GOMES

PALESTRAS, OFICINAS, COMPRA DE OBRAS LITERÁRIAS.

CONTATOS:

contatos:
tchekos@ig.com.br
11 954860939 Tim
11 976154394 Claro

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Equilíbrio


Bom mesmo é que a gente fosse 
Nem muito amargo nem muito doce 
Nem insosso nem salgado. 
Nem amar muito nem pouco 
Não ser muito lúcido nem louco 
Nem de mais nem de menos, dosado. 

Não existe ninguém perfeito 
Que não tenha nenhum defeito 
Mesmo que não sejam tantos. 
Também não tem nenhum sujeito 
Por mais que tenha defeitos 
Que não tenha lá seus encantos. 

Porque ser bom é assim, 
Não ser completamente ruim 
Nem completamente bom, 
Esta mistura de virtudes e defeitos 
É o que nos faz quase perfeitos 
Não muito ruim nem menos bom. 

Francis Gomes 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Amar é sempre possível



Nenhum coração é tão eficiente
Que nunca possa se apaixonar.
Porém nunca ama o suficiente,
A pessoa que deve amar.

Nenhum amor é pequeno,
Que nunca faça sofrer,
Todavia, ninguém ama ao extremo,
Que jamais possa esquecer.

Nada é antigo e moderno,
Como o ato de amar,
E não seria eterno,
Se não pudesse renovar.

E por ser imprevisível,
É esta coisa tão boa,
Amar sempre é possível,
Nem sempre a mesma pessoa.




Francis Gomes

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Telões de imagens mortas



Faço dos meus versos um refugio,
Me escondo de mim dentro deles,
Ao mesmo tempo em que me oculto,
Revelo meus segredos por eles.

Controlo meus sentimentos duramente,
Para que contra mim, não se rebelem,
Mas não consigo contê-los secretamente,
Sem que meus versos e meus olhos os revelem.

Se das palavras, a boca é a porta,
Que revela do coração os seus suplícios,
Os meus olhos são telões de imagem morta,
Que revela do meu eu os sacrifícios.

Tenho vivido como um vento impetuoso,
Em redemoinho, que não sabe aonde ir,
O céu do meu eu, é nebuloso,
De tal forma que não consigo mais fingir.

Pois nem sempre vou aos lugares onde quero,
Nem meu coração esta comigo onde estou,
Pobre de mim sou o que sou não o que espero,
Meu coração vai onde quer, não aonde vou.




Francis Gomes

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Meu Brasil




Sou um cidadão comum
Como muitos, infeliz!
Também não sou um poeta
O pessoal é que diz
Mas por viver revoltado
Com o peito machucado
Vou falar do meu país.

Nunca vi país tão rico
Quanto à pátria Brasileira!
Faz pena muitos políticos
Só sabem fazer besteira.
Por isso nosso lugar
Quem vive a trabalhar
É cachorro sem coleira.

Meu Brasil, eu te pergunto:
De todo meu coração
Sobre esta tua lei
Chamada constituição,
Que só dar direito aos ricos
Como se não existisse
Pobre em tua nação.

Estes teus representantes
Fingem que não me escutam
Falo mas para eles
Minhas palavras são mudas,
Por isso que teu progresso
Está sempre em regresso
É sempre o mesmo e não muda.

Que coisa feia Brasil!
Eu fico indignado.
Os juízes, os ministros
Vereadores, deputados,
 Roubam os operários
Aumentam os próprios salários
E não são indiciados.

Meu Brasil tenha certeza
Você precisa mudar
Teus filhos se envergonham
De tanta corrupção que há
E através dos meus escritos
Escuta Brasil meus gritos,
Pois venho te perguntar:

Meu Brasil, por que será,
Que você é deste jeito?
Tudo existe de bom,
Só os ricos têm direitos
A uns tratamentos nobre
Enquanto trata teus pobres
Sem carinho, sem respeito.

Meu Brasil, ver se acorda!
Enfrenta a realidade.
Os pobres também precisam
Viver com dignidade.
Ver se muda e transforma                                                                      
Tuas leis em uma norma
 Que sirva a comunidade.

Desperta pátria criança
De céu azul como anil.
Acorda pequeno jovem
De coração varonil.
Traz a bandeira no peito
Vem defender seus direitos
Nas ruas do meu Brasil.

Esqueça que você é,
Uma pessoa gentil.
Vem mostrar para o mundo
A tua face hostil,
Vem proclamar a verdade
Desmascarar os covardes
Políticos do meu Brasil

Meu Brasil peço desculpa,
Por falar de te ruim
Sei que você não tem culpa
De tudo que fazem a mim.
Mas os teus representantes
Teus políticos ignorantes
Fazem-me pensar assim.





 Francis Gomes

Do livro Ecos do Silêncio

Tu perdeste

Tu perdeste. Tu perdeste por me enganar
Jogas-te fora um amor verdadeiro, sem razão,
E na tua loucura, estraçalhou  meu coração,
Sem consolo eu me pus a meditar

Tu perdeste, perdeste por me deixar,
Trocaste-me por uma simples ilusão,
Trocaste um amor puro, só por paixão
Agora eu quero ver, quando acordar.

Amor de verdade, tu tinhas o meu,
E trocaste por uma simples aventura.
Saiba que nada perdi, ao perder o seu

Amor fingido se encontra a todo instante
Mas não se encontra um amor igual o meu
E tu perdeste, ao cometer esta loucura.





Francis Gome

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Porque te amo




Te amo, não é pela sua beleza,
Nem pelos seus cabelos negros,
Nem pela cor dos seus olhos.
Te amo, não é pelo seu sorriso elegante,
Nem sua boca pequena
E seus lábios grandes
Ou seu decote picante.

Não é pela sua voz que sussurra,
Pelos seus braços que me apertam,
E suas mãos que me tocam.
Não é pelo seu corpo bonito
Não é pelo seu jeito atraente,
Nem pelo teu olhar que provoca.

Nem por sua sensualidade
E este teu beijo quente
Nem porque quero te amar.
Te amo, porque não mando
Em meu coração,
Não controlo meus sentimentos,
E não consigo te odiar.
Só por isso,
E por isso te amo,
E não consigo deixar de te amar.




Francis Gomes

Do livro Ecos do Silêncio

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Desista



Há momentos da vida
Que a melhor coisa a fazer é desistir.
Então desista de quem não te ama
Das paixões passageiras
Dos amores inventados
Das amizades de mentiras.

Desista do orgulho que te fere
Do egoísmo que te cega
Dos feitos mal feitos
De concertar o que não tem concerto.
Desista de mudar os outros,
Quando você é quem precisa mudar.

Desista dos caminhos
Que não sabe onde te levam,
Antes que canse no meio da caminhada,
E pare sem motivos para prosseguir
Sem coragem para voltar
Sem força para recomeçar.

Então desista, desista
Enquanto é possível recomeçar e prosseguir.
Não desista dos seus sonhos.
Mas cuidado para não confundir
Sonhos com pesadelos
E lutar pelo que só de faz mal.


Francis Gomes