POETA FRANCIS GOMES

POETA FRANCIS GOMES

PALESTRAS, OFICINAS, COMPRA DE OBRAS LITERÁRIAS.

CONTATOS:

contatos:
tchekos@ig.com.br
11 954860939 Tim
11 976154394 Claro

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Também sou gente


Muitos por serem formados
Com alguns livros publicados,
Julgam-se superiores.
Mentirosos desalmados
Não aceitam que os favelados,
Também se tornem escritores.

Eu falo sem ter vergonha,
Se não posso ser montanha,
Sou uma pedra no sapato.
Mas eles querem que eu morra,
Seja um atleta e não corra,
Apanhe e fique calado.

Eu vejo a morte de perto,
E me dizem que não é certo
Falar da minha desgraça.
Sou tratado como um bicho
Me alimento de lixo,
E durmo em banco de praça.

Chamam-me de vagabundo,
Pé inchado, porco imundo...
Por que não vai trabalhar?
Bêbado pela a esquina
Coloca a culpa na sina,
Tem mesmo é que se ferrar.

Mas o que posso fazer?
Não tenho nem pra comer,
Trabalho ninguém me dar.
Mas imagine você,
Mal consigo sobreviver,
Como é que eu vou estudar?

Escola eu não conheço,
Faculdade eu desconheço...
Só sei de ouvir  falar,
O que eu passo é desumano,
E os direitos humanos,
A onde diabo ele estar?                                                                                                             

FEBEM de Tatuapé,
Cadeião de Sumaré,
Pode ver ta tudo lá.
Bandidos eles defendem,
Pobres para eles fedem,
É ou não é de lascar?

Este é o nosso regime,
Se o homem comete um crime,
Tem o estado para cuidar.
Enquanto é negligente,
Matando o povo inocente
Porque não quer ajudar.

E querem que eu me cale,
Morra e nada fale,
Afinal, lixo não fala...
Mas eu sou lixo orgânico,
Daquele que causa pânico,
E a nação se abala.

Por isso eu falo, falo e falo...
Morro e não me calo,
Sou mesmo um bicho,
Daqueles que tudo come,
E pra não morrer de fome,
Precisa viver do lixo.

Restos de comida, peixes crus,
Disputo com os urubus,
Vira lata, varejeira, enfim.
Onde o dinheiro domina,
O que o homem abomina,
É o que sobra pra mim.

Ei, sou pobre, sou desprezado,
Vivo por ai largado,
Sou mais um sobrevivente.
Sei que pareço com um bicho,
Me alimento de lixo,
Mas lembrem, também sou gente.

Francis Gomes                                                                                                                             

Nenhum comentário:

Postar um comentário